Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

© busy as a bee on a rainy day

e se, de repente, o respondemos a um how are you e só nós pescámos a piada (as abelhas não voam quando chove) e vêmos que é um título fantástico para um blogue! pois.. cá estou então!

02
Fev22

desafio arte e inspiração | sagração do dia | constelações

Ana a Abelha

Vassily Kandinsky, 1926 - Several Circles
Wassily Kandinsky, 1926 - Several Circles

sem norte nem sul. sem melhor nem pior. cada átomo a criar o todo. em sincronia. cada partícula única. indispensável. tu e eu ao sabor da corrente. liberdade em sintonia. cada indivíduo um. indispensável. o todo. a unicidade de todas as partes. em união. centelhas a criarem a luz.

Ana Eugénio

texto do livro "Sagração do Dia" em sincronia com o desafio arte e inspiração da Fátima Bento.
MAIS PARTICIPANTES:

Ana D., Ana Mestre, bii yueCélia, Charneca Em FlorCristina Aveiro, Fátima Bento, Isabel MSilva
João-Afonso Machado
José da XãLuísa De Sousa, Maria Araújo, MariaMiaOlga, Peixe Frito, Sam ao LuarSetePartidas

Sagração do Dia
A EDITORA: SEDA PUBLICAÇÕES

10
Nov21

Desafio Arte e Inspiração | Semana 9

Ana a Abelha

e agora para algo completamente diferente..

"cabello perseguido por 2 planetas" por Joan Miró© cabello perseguido por 2 planetas  por Joan Miró, 1968
Fundació Joan Miró, Barcelona

Assinatura de Joan Miró

o menino era um prodígio. aos quatro anos descobriram que ele sabia ler, que devorava os clássicos e fazia as palavras cruzadas do avô. os pais engordavam de orgulho. aos cinco já tocava piano. aos seis pintava quadros surrealistas. o pai era médico e a mãe uma dama da aristocracia. eram uma família exemplar entre os seus pares. tudo o que o menino fazia era notícia. desde os dois anos que deixara as fraldas e usava o bacio. a rainha morria de inveja pois o seu petiz, o futuro rei, era uma criança vulgar que adorava andar a cavalo e pregar partidas à criadagem.

o menino era um solitário que tentava ensinar o avô a jogar xadrez. enquanto o príncipe fazia amigos onde quer que estivesse, prezava-os a todos e estes eram-lhe leais. um dia a rainha decidiu convidar o menino, a mãe e as suas admiradoras, a passarem uma tarde no palácio. o futuro rei era elegante e tinha a tez saudável de correr pelos campos, o menino era pálido, tinha um tom macilento e era barrigudo por beberricar um Porto com o pai, após quase todas as refeições. para agradar à mãe, ofereceu à rainha o seu quadro preferido.

a rainha mandou chamar os críticos de arte da Coroa que, fascinados, concluiram que era uma obra-prima do surrealismo, que o menino tinha intitulado de "cabello perseguido por 2 planetas". a rainha, por educação, deu ordens para o pendurarem no salão de chá onde se encontravam. o futuro rei entrou na sala e entendeu a cortesia que a mãe estava a prestar, pelo que nada disse. convidou o menino para um jogo de xadrez. este sonhava com o dia em que encontrasse um par e desfez-se em sorrisos. o príncipe, discretamente, deixou o convidado ganhar.

o menino voltou para casa feliz como nunca ninguém o tinha visto. a rainha, por seu lado, estava encantada com o filho e compreendeu que não o trocava por nenhum prodígio, pois o futuro rei era sábio à sua maneira e tinha tudo para ser um extraordinário monarca. no dia seguinte o menino saiu a correr de casa, na hora de ir para a escola, e foi directo para o palácio, para brincar com o príncipe e os seus amigos. naquele jogo de xadrez o menino aprendeu que a amizade é mais preciosa que o portentismo. estava ansioso para ser criança.

texto no âmbito do desafio arte e inspiração criado por Fátima Bento.
PARTICIPANTES:
Ana D. Ana Mestrebii yueCéliaCharneca Em FlorCristina AveiroFátima Bentoimsilva.

03
Nov21

Desafio Arte e Inspiração | Semana 8

Ana a Abelha

A Sesta por Almada Negreiros© A Sesta por Almada Negreiros, 1939

Assinatura de Almada Negreiros

(continuação)

quando Francisca e David escolheram gozar as férias e as folgas atrasadas os patrões reagiram como se eles fossem dispensáveis, mas tiveram que engolir o orgulho e assumir que eles são indispensáveis. ofereceram-lhes uma remuneração principesca pelos dias de férias e folgas que ficavam por gozar se eles voltassem. o jovem casal aceitou com a condição de fazerem uma pausa entre quinta e segunda para participarem na maratona de Nova Iorque no dia sete de Novembro. e, assim, voltaram para Lisboa a vinte e oito de Outubro. 

no Sábado, trinta de Outubro, decidiram revisitar o Museu do Chiado, na Baixa. é um lugar onde gostam de namorar os quadros de Almada Negreiros (1893-1970). este distinguiu-se como um artista e um escritor polifacetado: desenhador, pintor, escritor, poeta, ensaísta, caricaturista, ilustrador, publicista, bailarino, cenógrafo e figurinista. o perfil plurifacetado de Almada Negreiros enriquece-se com a amplitude de direcções que a sua obra adoptou. em todas as suas manifestações criativas mostrou sempre uma grande capacidade de invenção. 

Almada desenhou A Sesta em 1939, carvão em papel, e a obra foi adquirida pelo Estado em 1941. Francisca e David têm uma serigrafia da obra no seu quarto. o Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado é um dos lugares que mais gostam de revisitar e, por vezes, fazer uma pausa improvisando um almoço a dois na cafetaria. Mariana corria supersónica pelas galerias, de tão feliz que estava por os pais terem finalmente regressado a casa. agora as histórias para adormecer eram no seu quarto e podia escolher entre os seus livros preferidos.

na tranquilidade deste desenho há uma volúpia e um sensualismo da forma que remontam a uma tradição neo-clássica, tendo em Picasso referências capitais. subtis deformações anatómicas, provocando alongamentos e distorções, são analisadas à luz do cubismo e emprestam um langoroso dinamismo ao desenvolvimento espacial do desenho. permitem ainda criar pormenores de conotações erotizadas, como sejam alguns sombreados sinuosos no corpo da rapariga.

Pedro Lapa
director do museu do Chiado entre 1998 e 2009

 

© Almada Negreiros, Figurinos para os Alfaiates Cunha, 1913
© Almada Negreiros, Figurinos para os Alfaiates Cunha, 1913

Assinatura de Almada Negreiros

estando em Lisboa, Francisca e David marcaram presença no salão de baile, onde brilhavam todos os domingos e em alguns serões durante a semana. vestiam um glamoroso conjunto baseado num figurino de 1913 desenhado por Almada Negreiros. os amigos festejaram o seu regresso e elogiaram o bom gosto de ambos. as comadres tinham-lhes sugerido visitarem a costureirinha que, graças à herança da mãe e da avó que também tinham sido modistas de renome, tinha um espólio de figurinos preservados desde o século dezanove.

texto no âmbito do desafio arte e inspiração criado por Fátima Bento.
PARTICIPANTES:
Ana Mestrebii yueCéliaCharneca Em FlorCristina AveiroFátima Bentoimsilva.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim

foto do autor

arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

os nossos contos

Contos de Natal | 2022 Contos de Natal | 2021