Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

© busy as a bee on a rainy day

e se, de repente, o respondemos a um how are you e só nós pescámos a piada (as abelhas não voam quando chove) e vêmos que é um título fantástico para um blogue! pois.. cá estou então!

© busy as a bee on a rainy day

10
Nov21

Desafio Arte e Inspiração | Semana 9

Ana de Deus

e agora para algo completamente diferente..

"cabello perseguido por 2 planetas" por Joan Miró© cabello perseguido por 2 planetas  por Joan Miró, 1968
Fundació Joan Miró, Barcelona

Assinatura de Joan Miró

o menino era um prodígio. aos quatro anos descobriram que ele sabia ler, que devorava os clássicos e fazia as palavras cruzadas do avô. os pais engordavam de orgulho. aos cinco já tocava piano. aos seis pintava quadros surrealistas. o pai era médico e a mãe uma dama da aristocracia. eram uma família exemplar entre os seus pares. tudo o que o menino fazia era notícia. desde os dois anos que deixara as fraldas e usava o bacio. a rainha morria de inveja pois o seu petiz, o futuro rei, era uma criança vulgar que adorava andar a cavalo e pregar partidas à criadagem.

o menino era um solitário que tentava ensinar o avô a jogar xadrez. enquanto o príncipe fazia amigos onde quer que estivesse, prezava-os a todos e estes eram-lhe leais. um dia a rainha decidiu convidar o menino, a mãe e as suas admiradoras, a passarem uma tarde no palácio. o futuro rei era elegante e tinha a tez saudável de correr pelos campos, o menino era pálido, tinha um tom macilento e era barrigudo por beberricar um Porto com o pai, após quase todas as refeições. para agradar à mãe, ofereceu à rainha o seu quadro preferido.

a rainha mandou chamar os críticos de arte da Coroa que, fascinados, concluiram que era uma obra-prima do surrealismo, que o menino tinha intitulado de "cabello perseguido por 2 planetas". a rainha, por educação, deu ordens para o pendurarem no salão de chá onde se encontravam. o futuro rei entrou na sala e entendeu a cortesia que a mãe estava a prestar, pelo que nada disse. convidou o menino para um jogo de xadrez. este sonhava com o dia em que encontrasse um par e desfez-se em sorrisos. o príncipe, discretamente, deixou o convidado ganhar.

o menino voltou para casa feliz como nunca ninguém o tinha visto. a rainha, por seu lado, estava encantada com o filho e compreendeu que não o trocava por nenhum prodígio, pois o futuro rei era sábio à sua maneira e tinha tudo para ser um extraordinário monarca. no dia seguinte o menino saiu a correr de casa, na hora de ir para a escola, e foi directo para o palácio, para brincar com o príncipe e os seus amigos. naquele jogo de xadrez o menino aprendeu que a amizade é mais preciosa que o portentismo. estava ansioso para ser criança.

texto no âmbito do desafio arte e inspiração criado por Fátima Bento.
PARTICIPANTES:
Ana D. Ana Mestrebii yueCéliaCharneca Em FlorCristina AveiroFátima Bentoimsilva.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

16 comentários

comentar post

mais sobre mim

foto do autor

arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

os nossos contos

os nossos contos de natal Sagração do Dia