Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

© busy as a bee on a rainy day

e se, de repente, o respondemos a um how are you e só nós pescámos a piada (as abelhas não voam quando chove) e vêmos que é um título fantástico para um blogue! pois.. cá estou então!

© busy as a bee on a rainy day

07
Fev24

aventuras de uma maçarico

Ana a Abelha

histórias da vida real

há um mês exacto pesava noventa e cinco quilos e trezentos gramas e voltei a beber coca-cola e a comer gomas. cheguei aos noventa e nove quilos, o que significa que engordei e emagreci quatro quilos. estou a fazer fisioterapia à coluna há três meses (a contar com este), faz-me caminhar ao entardecer. já tenho o quarto todo remodelado, só ainda não percebi como hei-de organizar a roupa que visto. ainda estou a dever trezentos e cinquenta euros à minha mãe (divididos por três meses - este incluido). e em maio pago o que devo à minha irmã. o meu pai também contribuiu, mas dado não emprestado. a pensão de invalidez não me permite voar alto e eu pairei estilo águia, quando na verdade sou um mero pardalito. adoro o meu novo quarto, é a casa dos meus sonhos. incluindo wc e cozinha.  

a segurança social tem um centro ocupacional em gatões em que a diária são quatorze euros e trinta e um cêntimos. se eu for um dia por semana, no final do mês tenho que pagar cerca de setenta e dois euros! que eu não tenho. muito menos agora que estou a pagar o quarto à minha mãe e à minha irmã. mas isso é só um pormenor perante o meu bloqueio emocional. não consigo frequentar o centro porque seria aceitar que a minha mãe pode morrer. é que este centro ocupacional vai arranjando habitação para quem não tem onde morar se tal coisa pudesse acontecer. é a primeira vez que o consigo verbalizar. e isso fez-me engordar pois dia três de janeiro uma das psicólogas de lá começou a telefonar e a pressionar-me para começar a frequentar o centro e eu entrei em depressão.

02
Fev24

1 Foto, 1 Texto :)

Ana a Abelha

sheng-hu-5_JLGGTZYpU-unsplash copy.jpgPhoto by Sheng Hu on Unsplash

há uma aldeia recôndita entre as montanhas de PyeongChang onde toda a gente caminha sobre a água. não há necessidade de pontes ou de barcos. há quem o considere uma lenda, pois a aldeia é num vale coberto por brumas e é preciso acreditar de coração puro para que o nevoeiro se dissipe e revele a aldeia. por este motivo, os poucos que lá chegam são calorosamente recebidos.

texto no âmbito deste desafio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pág. 2/2

mais sobre mim

foto do autor

arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

os nossos contos

Contos de Natal | 2022 Contos de Natal | 2021