Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

© busy as a bee on a rainy day

e se, de repente, o respondemos a um how are you e só nós pescámos a piada (as abelhas não voam quando chove) e vêmos que é um título fantástico para um blogue! pois.. cá estou então!

© busy as a bee on a rainy day

28
Fev21

vá para fora, dentro de casa.

Ana a Abelha

Estátua da Paz, Nagasaki


há dias tive um sonho maravilhoso em que convivi com três personagens culturalmente nossas conhecidas. estava eu a olhar o céu quando ouvi ao meu lado: tu que és a miúda que convida os outros a escrever sobre o que a Paz significa para eles, vem conhecer o que tem sido feito para semear a Paz, disse-me o fantasma do passado, para meu grande espanto.

e voámos para o Parque Internacional da Paz de Nagasaki, que é um parque em memória do bombardeamento nuclear da cidade em 09 de agosto de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial. construído em 1955 próximo ao hipocentro da explosão, onde ainda é possível ver as ruínas da Catedral Urakami, que era a maior igreja localizada no leste da Ásia na época.

ao norte do parque fica a escultura de Seibo Kitamura, com cerca de dez metros de altura. a mão direita da estátua aponta ao céu em lembrança da ameaça nuclear enquanto que a esquerda permanece estendida simbolizando a paz. a face calma simboliza a graça divina e seus olhos semi-cerrados oferecem uma prece às almas das vítimas da bomba. 

International Peace Park, Nagasaki


em 1978 a cidade de Nagazaki estabeleceu a "Zona dos Símbolos da Paz" em ambos os lados do parque e convidou países de todo o mundo a fazerem a sua contribuição, explicou-me agora o fantasma do futuro, a personagem seguinte no conto de Charles Dickens. estes monumentos já podem ser vistos no parque:

  • "Consolo da Amizade" - do Porto, Portugal (cidade irmã de Nagasaki), 1978
  • "Alegria da Vida" - da Checoslováquia, (doada a Nagasaki em 1980). a estátua de bronze de 260 cm foi feita pelo escultor checo Jan Hána (1927–1994) em 1975.
  • "Um clamor" - da Bulgária, 1980
  • "Monumento da Amizade entre as Pessoas" - da extinta República Democrática da Alemanha, 1981
  • "Protecção do Nosso Futuro" - da cidade de Middelburg, Holanda (cidade irmã de Nagasaki), 1983
  • "Estátua da Paz" - da extinta União Soviética, 1985
  • "Dama da Paz" - da China, 1985
  • "Flor de Amor e Paz" - da Polónia, 1986
  • "Hino à Vida" - da cidade de Pistoia, Itália, 1987
  • "Garça da Paz" - de Cuba, 1988
  • "Monumento da Paz" - de Santos, Brasil (cidade irmã de Nagasaki), 1988
  • "Infinidade" - de Ankara, Turquia, 1991
  • "Constelação Terra" - de St. Paul, Minnesota, EUA (cidade irmã de Nagasaki), 1992
  • "Triunfo da Paz sobre a guerra" - de San Isidro, Argentina, 1996
  • "Capa da Paz [Te Korowai Rangimarie]" - por Kingsley Baird da Nova Zelândia, 2006.

Cherry blossoms, Nagasaki


para finalizar a viagem, estive com o fantasma do presente que explicou: todos os anos há o festival das cerejeiras em flor no Japão. em Nagasaki há mil e seiscentas árvores de setenta e oito espécies diferentes para assegurar uma longa temporada destas árvores em flor. e aí voámos pela cidade inteira e eu fiquei a conhecer um povo fabuloso e resiliente como uma Fénix.

texto no âmbito do desafio sonhamos ir por aí.
Neste desafio participo eu, a Concha, a Maria Araújo, a Fátima Bento, a Imsilva,
Luísa De Sousa, a Maria, o José da Xã, a Célia, a Ana Mestre, a Cristina Aveiro e a bii yue

FONTE: wikipedia

24
Fev21

desafio caixa de lápis de cor - dia 6: laranja

Ana a Abelha

laranja


a primeira coisa que me veio à cabeça é o quanto eu adoro um sumo de laranja natural, acabado de espremer. em dois mil e dezanove, quando ainda havia paz de espírito em grande parte do planeta e eu tinha perdido quarenta quilos, o meu dia começava com um sumo de laranja. depois veio a pandemia e o país entrou em estado contínuo de ansiedade e obsessão e eu ganhei cinquenta quilos num ano. mas, para mim, o laranja é a cor das gargalhadas, dos dias de sol, do tempo em que a minha avó era viva, do brincar na rua, das noites mornas, do pedir licença aos pais para sair da mesa, sempre! do vestido de sevilhana que a minha avó me fez para o carnaval. houve um ano em que as minhas irmãs se queriam vestir de sininho e de peter pan e ela fez-lhes os fatos a rigor, sem cábulas. as minhas duas avós eram mulheres excepcionais. tenho muito de ambas. parece-me que o laranja também é cor da saudade boa.

texto no âmbito do desafio caixa de lápis de cor.

Neste desafio participo eu, a Concha, a A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D. a Célia,
Charneca Em Flor, a Miss Lollipop, a Ana Mestre, a Fátima Bento, a Cristina Aveiro, a bii yue, o José da Xã e o João-Afonso Machado.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pág. 1/6

mais sobre mim

foto do autor

arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

os nossos contos

Contos de Natal | 2022 Contos de Natal | 2021