Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

© busy as a bee on a rainy day

e se, de repente, o respondemos a um how are you e só nós pescámos a piada (as abelhas não voam quando chove) e vêmos que é um título fantástico para um blogue! pois.. cá estou então!

© busy as a bee on a rainy day

28
Fev21

vá para fora, dentro de casa.

Ana de Deus

Estátua da Paz, Nagasaki


há dias tive um sonho maravilhoso em que convivi com três personagens culturalmente nossas conhecidas. estava eu a olhar o céu quando ouvi ao meu lado: tu que és a miúda que convida os outros a escrever sobre o que a Paz significa para eles, vem conhecer o que tem sido feito para semear a Paz, disse-me o fantasma do passado, para meu grande espanto.

e voámos para o Parque Internacional da Paz de Nagasaki, que é um parque em memória do bombardeamento nuclear da cidade em 09 de agosto de 1945, durante a Segunda Guerra Mundial. construído em 1955 próximo ao hipocentro da explosão, onde ainda é possível ver as ruínas da Catedral Urakami, que era a maior igreja localizada no leste da Ásia na época.

ao norte do parque fica a escultura de Seibo Kitamura, com cerca de dez metros de altura. a mão direita da estátua aponta ao céu em lembrança da ameaça nuclear enquanto que a esquerda permanece estendida simbolizando a paz. a face calma simboliza a graça divina e seus olhos semi-cerrados oferecem uma prece às almas das vítimas da bomba. 

International Peace Park, Nagasaki


em 1978 a cidade de Nagazaki estabeleceu a "Zona dos Símbolos da Paz" em ambos os lados do parque e convidou países de todo o mundo a fazerem a sua contribuição, explicou-me agora o fantasma do futuro, a personagem seguinte no conto de Charles Dickens. estes monumentos já podem ser vistos no parque:

  • "Consolo da Amizade" - do Porto, Portugal (cidade irmã de Nagasaki), 1978
  • "Alegria da Vida" - da Checoslováquia, (doada a Nagasaki em 1980). a estátua de bronze de 260 cm foi feita pelo escultor checo Jan Hána (1927–1994) em 1975.
  • "Um clamor" - da Bulgária, 1980
  • "Monumento da Amizade entre as Pessoas" - da extinta República Democrática da Alemanha, 1981
  • "Protecção do Nosso Futuro" - da cidade de Middelburg, Holanda (cidade irmã de Nagasaki), 1983
  • "Estátua da Paz" - da extinta União Soviética, 1985
  • "Dama da Paz" - da China, 1985
  • "Flor de Amor e Paz" - da Polónia, 1986
  • "Hino à Vida" - da cidade de Pistoia, Itália, 1987
  • "Garça da Paz" - de Cuba, 1988
  • "Monumento da Paz" - de Santos, Brasil (cidade irmã de Nagasaki), 1988
  • "Infinidade" - de Ankara, Turquia, 1991
  • "Constelação Terra" - de St. Paul, Minnesota, EUA (cidade irmã de Nagasaki), 1992
  • "Triunfo da Paz sobre a guerra" - de San Isidro, Argentina, 1996
  • "Capa da Paz [Te Korowai Rangimarie]" - por Kingsley Baird da Nova Zelândia, 2006.

Cherry blossoms, Nagasaki


para finalizar a viagem, estive com o fantasma do presente que explicou: todos os anos há o festival das cerejeiras em flor no Japão. em Nagasaki há mil e seiscentas árvores de setenta e oito espécies diferentes para assegurar uma longa temporada destas árvores em flor. e aí voámos pela cidade inteira e eu fiquei a conhecer um povo fabuloso e resiliente como uma Fénix.

texto no âmbito do desafio sonhamos ir por aí.
Neste desafio participo eu, a Concha, a Maria Araújo, a Fátima Bento, a Imsilva,
Luísa De Sousa, a Maria, o José da Xã, a Célia, a Ana Mestre, a Cristina Aveiro e a bii yue

FONTE: wikipedia

24
Fev21

desafio caixa de lápis de cor - dia 6: laranja

Ana de Deus

laranja


a primeira coisa que me veio à cabeça é o quanto eu adoro um sumo de laranja natural, acabado de espremer. em dois mil e dezanove, quando ainda havia paz de espírito em grande parte do planeta e eu tinha perdido quarenta quilos, o meu dia começava com um sumo de laranja. depois veio a pandemia e o país entrou em estado contínuo de ansiedade e obsessão e eu ganhei cinquenta quilos num ano. mas, para mim, o laranja é a cor das gargalhadas, dos dias de sol, do tempo em que a minha avó era viva, do brincar na rua, das noites mornas, do pedir licença aos pais para sair da mesa, sempre! do vestido de sevilhana que a minha avó me fez para o carnaval. houve um ano em que as minhas irmãs se queriam vestir de sininho e de peter pan e ela fez-lhes os fatos a rigor, sem cábulas. as minhas duas avós eram mulheres excepcionais. tenho muito de ambas. parece-me que o laranja também é cor da saudade boa.

texto no âmbito do desafio caixa de lápis de cor.

Neste desafio participo eu, a Concha, a A 3ª Face, a Maria Araújo, a Peixe Frito, a Imsilva, a Luísa De Sousa, a Maria, a Ana D. a Célia,
Charneca Em Flor, a Miss Lollipop, a Ana Mestre, a Fátima Bento, a Cristina Aveiro, a bii yue, o José da Xã e o João-Afonso Machado.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pág. 1/6

mais sobre mim

foto do autor

arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

wook vais ler a seguir?

Toshikazu Kawaguchi Henry David Thoreau

a livraria mais antiga do mundo, desde 1732